Poesia e utilidade em Niemeyer – Guilherme Wisnik e Pedro Fiori Arantes

O quarto encontro da seção “Desentendimento” trata da obra de Oscar Niemeyer, pensando-se seu papel na história da arquitetura brasileira, e tem mediação de Fernando Serapião, crítico e editor da revista Monolito. Neste espaço, o leitor encontra no blog um debate em vídeo em que os convidados apresentam opiniões divergentes sobre um tema proposto pela revista serrote. Aqui, as reflexões cabem a Guilherme Wisnik, professor da Escola da Cidade (São Paulo-SP) e autor de Lúcio Costa (Cosac Naify, 2001), e a Pedro Fiori Arantes, professor da Unifesp e autor de Arquitetura nova (Editora 34, 2002).

 

Bloco 1: “Ao lado de João Gilberto, Niemeyer é o maior artista brasileiro do século 20”

No primeiro segmento, Wisnik analisa o primeiro projeto de Niemeyer, o Conjunto de Pampulha (1942-1944), como uma arquitetura inaugural de uma estética para um país com tentativas de dar saltos de desenvolvimento e vê nessa obra “uma poética plástica de acordo com a situação econômica, técnica e social do momento vivido pelo Brasil naquele momento”. E também avança ao situar a arquitetura como a verdadeira manifestação de vanguarda do modernismo brasileiro, vendo-a como responsável pela evolução das artes plásticas na década de 50.

Para Arantes, coube discutir sobre a associação entre Niemeyer e o poder e o financiamento público, como no caso de Pampulha, encomenda do então prefeito de Belo Horizonte, Juscelino Kubitschek, que o convidaria anos depois para projetar a cidade de Brasília. E pondera sobre o que há ou não de esdrúxulo nesse conjunto, formado por uma capela, uma casa de baile, um cassino e um clube.

 

http://vimeo.com/26032566

 

Bloco 2: “São símbolos de um país que não conseguiu resolver seus problemas mais fundamentais”

Pedro Fiori Arantes inicia o bloco enfatizando a necessidade de a obra arquitetônica estar integrada e não segregada da cidade. Para tanto, avalia a pertinência de diferentes produções de Niemeyer, como o Memorial da América Latina, o Edifício Copan e o Parque Ibirapuera, todos localizados em São Paulo.

Wisnik retoma a análise de Pampulha para tratar do valor da obra, relativizando a interferência de quem encomenda um projeto sobre o plano estético do resultado.

 

http://vimeo.com/26033555

 

Bloco 3: “Na arquitetura, não há separação entre produto e processo”

Arantes trata na terceira parte sobretudo da preocupação que se deve ter para além da forma na arquitetura. Sobre Niemeyer, chega a dizer: “Há um permanente desejo de redução de complexidade para que a única a ser exposta sejam as ramificações da obra com diferentes setores da sociedade”.

Já Wisnik chama a atenção para a sensibilidade de Niemeyer para o “positivismo” de sua obra, que, em vez de negar seu momento, o explora plasticamente.

 

http://vimeo.com/26030686

 

Bloco 4 e 5: A arquitetura pública contraposta à arquitetura de poder

Tratando de Brasília e do esforço humano envolvido, Arantes inicia o quarto bloco citando o arquiteto João da Gama Filgueiras Lima, o Lelé, para contrapor o papel deste na construção da capital brasileira e seu pensamento sobre a funcionalidade do edifício público aos de Niemeyer. Ruy Ohtake é outro artista contemplado pelos professores, que pensam até que ponto ele pode ser visto como herdeiro e sucessor de Niemeyer.

No último segmento, os debatedores se dedicam às superquadras de Brasília e a como essa proposta conseguiu preservar – em um primeiro momento e mesmo nas escalas monumentais da cidade cosmopolita – “o bucólico”, “a vida cotidiana da calçada”.

http://vimeo.com/26073064 http://vimeo.com/26070861

 

 

 

  • Margarida Maria

    http://www.youtube.com/user/MMPaesLeme
    Contemplação musica em homenagem ao mestre Niemeyer

  • Marcy Junqueira

    Este Pedro Arantes fez algum projeto na vida? Ou apenas fica sorrindo acima destes pobres arquitetos mortais que fazem.

  • Joana

    Pedro Arantes, estou muito surpreendida com seus comentários. Você é brilhante!!

    @Marcy, o Pedro trabalha na assessoria técnica Usina. A proposta deles é bem interessante, construir habitação social com mutirão.

  • sandro

    Gostei do Pedro Arantes, cobrando dos arquitetos serem artistas efetivamente mais interessados na cidade.

  • João

    se possível, nas próximas vezes o vídeo poderia ter um tamanho menor, pois demora muito tempo para carregar e a qualidade da imagem não é tão importante (pensando que um simples arquivo de áudio seria suficiente para transmitir a mensagem)

  • Teresa Mascaro

    Riquíssima conversa, na qual não se deve entender os argumentos como “certos” ou “errados”, optando por um lado ou outro. Ganhamos ao ouvir, refletir e repensar alguns pontos que tínhamos como certo, concordando e discordando paradoxalmente ao mesmo tempo.

  • Leonardo Alkmim

    Definitivamente ser filho de filósofos não exime ninguém do ter um pensamento raso, apesar de rebuscado.