E-Mail 'O ressentimento chegou ao poder? - por Maria Rita Kehl'

Enviar cópiar por e-mail de: 'O ressentimento chegou ao poder? - por Maria Rita Kehl'

* Required Field






Separate multiple entries with a comma. Maximum 5 entries.



Separate multiple entries with a comma. Maximum 5 entries.


E-Mail Image Verification

Loading ... Loading ...

8 respostas para O ressentimento chegou ao poder? – por Maria Rita Kehl

  1. Cida Coutinho disse:

    Texto excelente! Adorei! Acho que so nos resta tentar entender o porque desse i ndividuo ter sido eleito.

  2. Pingback: Help! 2019 – 2020 |

  3. Liana disse:

    Eu queria saber… sem que seja pela psicanálise, há um meio de fazer um ressentido deixar de sê-lo?

  4. Dulce Quebtal disse:

    Parabéns. Texto altamente elucidativo. Sempre recompensante acompanhar seus caminhos. l

  5. Renato Rocha Miranda disse:

    Fácil de entender Cida: o sujeito foi DEMOCRATICAMENTE eleito pela maioria da população brasileira. bjs

  6. Fernando Luiz de Paula disse:

    Ótimo texto. O que fazer diante de tanta fúria, “ressentimento” investido de poder e munido de individualismos e narcisismo. Agir como água que segue seu curso infiltrando ou contornando obstáculos? Ou, quebrando barreiras? Não sei, talvez se apropriar das possibilidades desde as mais simples e não menos importantes às mais complexas. Ver desde o todo aos nichos e se perguntar o que posso fazer. Confesso que não sei como e que não é fácil.

  7. IVANILDE MORAIS DE GUSMAO disse:

    Artigo de fundamental importância para entender um pouco mais o sentimento e a miséria em que está se tornando a alma humana. O sistema está conseguindo o retorno à barbárie – ver Istvan Meszários -, com a destituição da humanidade do Homem.
    Que outras reflexão como essa chegue até nós por esse maravilhoso espaço sideral, para que possamos divulgar e unidos tentar “barrar” esse retrocesso!
    Grata,
    Meu abraço fraterno
    Ivanilde

  8. Gino Xavier disse:

    Renato Rocha Miranda, essa eleição que colocou isso que você chamou de indivíduo no poder, além de fruto de um golpe de estado que tirou, essa sim, uma presidente, ou presidenta como acertadamente era referida, eleita de forma legítima e democrática, foi totalmente manipulada e viciada por crimes não apenas eleitorais, com o evidente constrangimento das autoridades judiciárias que proclamaram a normalidade do pleito mesmo diante das óbvias aberrações no processo. Não é aqui que sua falácia surtirá efeito! Seu rabo está preso no esgoto de onde sua mediocridade emergiu.