serrote 33

serrote 33

A serrote 33 traz a seção especial “9 perguntas para o Brasil de hoje”, na qual nove intelectuais – como Milton Hatoum, Maria Rita Kehl e Luiz Eduardo Soares – refletem sobre questões cruciais no país, da proliferação da violência ao silêncio dos escritores diante do autoritarismo.

Esta edição apresenta também um trecho do novo livro do filósofo Georges Didi-Huberman, que discute levantes populares no passado e no presente. E um ensaio da escritora Claudia Rankine sobre suas tentativas de questionar homens brancos sobre seus privilégios.

E ainda: as cartas de Hannah Arendt e Gershom Scholem sobre a banalidade do mal; um diário de viagem de Virginia Woolf; um manifesto de Lucía Lijtmaer em defesa do direito de protestar; uma viagem pela saga de Canudos por Hélio de Seixas Guimarães e Carlos Augusto Calil; e muito mais.

Compre a serrote 33 na Loja do IMS

Desqualificar a insatisfação é um dos pilares do conservadorismo. Desconsiderar um protesto como “inexpressivo”, minimizar denúncias como “exageradas” ou condenar posicionamentos como “radicalismo” têm sido estratégias recorrentes para implantar, em todo o mundo, uma abrangente agenda de conformismo.

Mas onde se tenta ver poça estagnada ou mar de placidez, o filósofo Georges Didi-Huberman enxerga “futuros possíveis”, um acúmulo de pequenas insatisfações, divergências pontuais e insurreições miúdas que historicamente costumam engrossar ondas de insurgência.

Foi assim em Canudos, como apontam as análises de Hélio de Seixas Guimarães e Carlos Augusto Calil – e é assim na militância obstinada daqueles que, ridicularizados como “ofendidinhos”, vêm, segundo Lucía Lijtmaer, mudando a paisagem política contemporânea.

O pequeno gesto, a escrita, são, por isso, formas mais do que eficazes de resistência.
Claudia Rankine, por exemplo, declara no título do ensaio que publicamos: “Eu queria
saber o que os homens brancos pensavam de seu privilégio. Então perguntei.”

Perguntar é o que a serrote também faz ao propor a nove intelectuais questões cruciais para o Brasil de hoje. Questões que dizem respeito ao presente e também, ou sobretudo, aos “futuros possíveis”. (Paulo Roberto Pires)

*

9 PERGUNTAS PARA O BRASIL DE HOJE
Maria Rita Kehl
O ressentimento chegou ao poder?

Lola Aronovich
O que querem os haters?

Adilson José Moreira
Quem ri do racismo?

João Silvério Trevisan
O que ameaça os direitos LGBTQ?

Aparecida Vilaça
Por que os indígenas são um alvo?

Ricardo Antunes
O que restou do trabalhador?

Luiz Eduardo Soares
Quem precisa de uma arma?

Juliana Borges
A quem interessa lotar as prisões?

Milton Hatoum
O escritor pode ficar em silêncio?

DIÁRIO DE VIAGEM
Virginia Woolf
Uma visita a Montaigne
Em 1931, a escritora e seu marido, Leonard, fizeram a primeira de duas viagens ao interior da França para ver de perto a torre em que o autor dos Ensaios viveu e escreveu a obra que ambos cultivavam

BRANQUITUDE
Claudia Rankine / Antonio Obá
Eu queria saber o que os homens brancos pensavam de seu privilégio. Então perguntei.

ENSAIO VISUAL
Vânia Mignone
Tudo para desesperar, mas isso… jamais

POLÍTICA
Georges Didi-Huberman / Robert Longo
Ondas, torrentes e barricadas
A história e a arte ensinam que a revolta costuma nascer do luto e se propaga num turbilhão que mistura lamentos pessoais e coletivos, o próximo e o distante, numa extraordinária emoção coletiva

NO PAÍS DO CONSELHEIRO
Hélio de Seixas Guimarães / Fabrício Lopez
Antes de Euclides
Machado de Assis e Olavo Bilac registraram em crônicas visões divergentes dos conflitos narrados em Os sertões

Carlos Augusto Calil
Euclides no labirinto
Nas ruínas de Canudos, um escritor vive o doloroso embate entre convicções e teses “científicas” e uma devastadora experiência de massacre de toda uma cidade

CORRESPONDÊNCIA
Gershom Scholem / Hannah Arendt / Eva Hesse
Querida Hannah, Caro Gerhard,
Em cartas de 1963, os filósofos discutem vigorosamente as teses de Eichmann em Jerusalém e a ideia da “banalidade do mal”

CRÍTICA CULTURAL
Lucía Lijtmaer / Mel Bochner
Ofendidinhos
Ao desqualificarem movimentos sociais e identitários como simples queixa ou mimimi, os conservadores de sempre demonizam o protesto e colaboram para o avanço do obscurantismo e do fascismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *